Kaya Scodelario Brasil » Arquivo » Kaya e Rosa Salazar falam sobre feminismo e futuros distópicos
Postado por lais


Em entrevista ao Miami New Times, Kaya e sua colega de elenco, Rosa Salazar, falam sobre o feminismo quando são perguntadas sobre as diferenças e as semelhanças de suas personagens em ‘Prova de Fogo’. Confira abaixo a matéria traduzida por nossa equipe.

O feminismo em Hollywood está em alta. Todo mundo está falando sobre e as jovens atrizes estão tomando partido sobre a falta de representação e de tratamento das mulheres em Hollywood. Olhe para Emma Watson e sua campanha de sucesso He For She, e até a adolescente, estrela de Girl Meets World, Rowan Blanchard e seu discurso sobre o feminismo interseccional.

Entretanto, nem toda jovem atriz tem a artemanha de conseguir se expressar como Emma Watson e Rowan Blanchard.

Durante a divulgação de seu novo filme, ‘Prova de Fogo’  — a sequência da franquia ‘Maze Runner’ — Kaya Scodelario, que interpreta Teresa, e Rosa Salazar (Brenda) tentam fazer parte da boa luta e discutir a diferença entre os gêneros.

É refrescante ver que há mais mulheres no filme desta vez. O primeiro filme da franquia, ‘Maze Runner’ de 2014, é um clube de meninos, a personagem de Scodelario era a única menina, salva pelos ocasionais flashbacks e vídeos de Ava Paige (Patricia Clarkson). O futuro, aparentemente, não tem lugar para as mulheres. E desde que a sequência distópica de ficção cientifica começa logo de onde o primeiro filme terminou, a audiência logo dá de cara com o enredo e a ação.

Thomas (Dylan O’Brien), Teresa, Minho (Ki Hong Lee), Newt (Thomas Brodie-Sangster), Caçarola (Dexter Darden), e Aris (Jacob Lofland) conhecem Brenda depois de escapar do deserto. Brenda passou a sua vida vivendo deserto afora em um prédio abandonado cercado por nada à não ser areia e cranks. Então, é seguro se dizer, que sua apresentação foi bem diferente de Teresa, que vivenciou sua vida no labirinto.

E mesmo que embora suas personagens sejam bem diferentes, e que essas diferenças impulsionam o enredo, não perguntem para as atrizes sobre as semelhanças e diferenças entre suas personagens porque isso, aparentemente, é uma afronta ao feminismo.

“Oh inferno, o que é isso?” chora Scodelario.

“Eu nunca recebi essa pergunta antes e eu realmente estou chocada de que isso seja uma pergunta já que estamos em 2015, indo pra 2016,” interfere Salazar. “Nós podemos votar e nós podemos falar e podemos ler e escrever e acho que nós duas somos capazes.”

Salazar explica algumas diferenças entre a sua Brenda e a Teresa de Scodelario, misturando um pouco da realidade como sua personagem.

“Já que Teresa estava trabalhando com uma agência governamental e corporações semelhantes, eu acho que seus desafios não são apenas físicos mas também mentais. Eu diria que sua ética é questionada todo dia, ela está constantemente se contando essa história, o que é o maior desafio, sua mente é o músculo mais forte que você tem. Eu diria porque eu fui, fora da circunstancia, jogada no deserto, eu teria que crescer na ocasião e eu diria que Teresa estaria provavelmente na mesma situação que eu estava e iria crescer para com a situação. E eu acho que se o apocalipse acontecesse, eu acho que nós veríamos o retorno da sociedade matriarcal… Obviamente, Brenda é super durona, mas nós não sabemos. Se os prédios começassem a desmoronar e se as erupções solares realmente acontecessem, eu estaria embaixo da minha cama chupando meu dedão e fazendo xixi nas calças. Eu não tenho ideia, mas nós esperamos que todos nós crescêssemos nessa ocasião. E eu acho que as mulheres são indivíduos extremamente fortes.”

Ao respirar, Salazar permite que Scodelario complemente com seus sentimentos. “Eu acho que essas duas mulheres são produtos do meio e é ai que sua força se apoia e é assim que elas aprenderam a sobreviver.” “Por que isso não é uma questão para Newt e Thomas tipo ‘quem você acha que é o mais forte?” adiciona Salazar. “É apenas porque ambos tem um pênis, ‘então bom ambos com certeza são fortes.’ Tipo, quero dizer, eu acho que todos nós estamos enfrentando situações semelhantes.”

Em meio ao seus discursos de como fortes e capazes ambas as mulheres são no mundo do deserto e de como as mulheres iriam liderar o mundo depois do apocalipse (nós realmente temos que esperar até o fim do mundo para ver as mulheres no poder? Isso é algo deprimente), nenhuma das atrizes abordou a falta de personagens femininas no filme, nem abordaram a quantidade imensa de criticas que a franquia recebeu sobre praticamente deixar as mulheres de fora. “Essas não são duas mulheres dimensionais, elas nunca foram.” diz Scodelario, “…as pessoas querem fazer essa coisa de Team Brenda, Team Teresa,” mas Scodelario implica que isso não vai acontecer.

Por causa de seu argumento, compare a franquia de ‘Maze Runner’ escrita por James Dashner, com aquela outra franquia jovem popular, a franquia ‘Divergente’ escrita por Veronica Roth. Ambas criam mundos em que adolescentes se lutam contra o poder do governo (adultos). Ainda, enquanto Roth escreve uma forte liderança feminina e incorpora um mundo em que mulheres estudam, Dashner escreve uma grande uma forte liderança masculina e — em grande parte — tira as mulheres inteiramente da equação. Então é um roteiro bizarro de se interagir e abordar o feminismo de começo.

‘Maze Runner: Prova de Fogo’ está em cartaz nos cinemas. É divertido em um nível superficial e irá satisfazer os fãs do primeiro filme e dos livros.

Fonte: Miami New Times.

Deixe um comentário
Voltar ao início